Multi-instrumentista nova-iorquino JSHELL apresenta seu novo álbum audiovisual ‘In My Head

Depois de se apresentar originalmente ao mundo com seu vibrante single de estreia ‘Haunted’ no início deste ano, o multi-instrumentista, cantor e compositor residente em Nova York, JSHELL, agora procura mostrar o lançamento de seu diversificado audiovisual álbum ‘In My Head’ com a nova e explosiva oferta ‘Delusions’.

O novo álbum de JSHELL, ‘In My Head’, também traz participações especiais de alguns dos melhores músicos do mercado, incluindo o incomparável Steve Hackett (ex-guitarrista do Genesis e pioneiro do rock progressivo), Katie Jacoby (violinista extraordinário e co-líder da orquestra do The Who), Jake Cinninger (virtuoso da guitarra dos titãs da jam band Umphrey’s McGee) e Scott Metzger (outro virtuoso da guitarra dos titãs da jam band Joe Russo’s Almost Dead and Wolf!).

‘In My Head’ também apresenta masterização do vencedor do Grammy Randy Merrill da Sterling Sound (Paul McCartney, Foo Fighters, Imagine Dragons, Muse, Adele, Lady Gaga, Harry Styles).

Nesta nova entrevista, ele fala sobre suas inspirações musicais, curiosidades e planos futuros. Confira abaixo:

O que você pode dizer sobre este novo lançamento, o álbum visual? Este foi um projeto muito emocionante, exigente e gratificante. Parecia que eu estava construindo não uma, mas duas casas do zero. Tive que ficar me lembrando de colocar um pé na frente do outro para atingir meus objetivos e consegui fazer isso. O álbum tem 15 faixas de Rock and Roll com cada faixa tendo um vídeo.

Como foi o processo de gravação do álbum? O próprio processo de gravação exigiu que eu fizesse muito trabalho duro, mas foi muito divertido de fazer. Eu toco toda a bateria, baixo e teclado, bem como a maior parte da guitarra base, um pouco de guitarra principal e fazendo os vocais principais e de fundo. Muitos artistas já fizeram isso, como Prince, Paul McCartney, Lenny Kravitz e Dave Grohl, do Foo Fighters, só para citar alguns, e eu queria ver se conseguia. Tive que garantir que todos os instrumentos funcionassem em harmonia uns com os outros para que soasse como uma banda completa e acho que sim.

Você pode descrever brevemente cada uma das faixas que estão no álbum? O álbum abre com “Crawl”, que sou apenas eu e acredito que representa quem eu sou como artista, que combina uma melodia cativante com elementos de rock progressivo que o levam a outro nível. “You See Me” traz um pouco da vibração de Billy Joel e apresenta Matt “The Mattch” Daus na guitarra solo, que ele absolutamente destrói. “Big Apple Boogie” é um dos dois instrumentais do álbum e basicamente representa como é a vida em Nova York. “Chain of Events” desce um pouco mais na toca do rock progressivo e apresenta guitarras de Jake Cinninger do Umphrey’s McGee, uma incrível e popular “jam band” nos EUA. “Haunted” apresenta vocais incríveis de Karen Abrams e Sofie Jane, bem como guitarras de Fernando Chirinos e soa como se devesse ser tocada em uma casa mal-assombrada. “Under The Gun” é um rock direto com o supertalentoso Scott Metzger na guitarra solo (ele toca em uma outra banda popular dos EUA chamada JRAD). “You Do You” é a faixa que apresenta Steve Hackett e como Genesis é minha banda favorita, tentei fazer soar como algo que eles teriam aprovado. “Don’t Ask Why” é o rock mais pesado do álbum que mais uma vez conta com a participação de Jake Cinninger e deve ser tocada bem alto. “Delusions” é o single que estou promovendo atualmente, que sou apenas eu com vocais adicionais de Sofie Jane e é demais (há um padrão aqui…). “Thursday” é uma música que escrevi em memória de meu pai e apresenta meu irmão D$Clip fazendo um dueto comigo nos vocais, bem como acrobacias de guitarra de Scott Metzger. “That’s The Key” é minha tentativa de reggae/ska/gospel e apresenta a incrível Katie Jacoby, que é a violinista principal do The Who, no violino elétrico. “In My Head” é a faixa-título que apresenta minha amiga de longa data Marisa Wildwood nos vocais principais, bem como um solo de flauta que evoca Jethro Tull. “Meant To Be” é a peça central de todo o álbum; tem quase 9 minutos de duração e é “destinado a ser” um épico de rock progressivo que novamente apresenta Katie Jacoby absolutamente arrasando no violino elétrico e acústico. “My Last Request” sou apenas eu e estou dizendo um possível adeus à indústria da música. O álbum mais próximo é o outro instrumental “Big Apple Boogie (Reprise)”, que termina em um cliffhanger e representa a energia que minha música traz para a mesa.

Se você tivesse que escolher uma música, qual você escolheria? Eu provavelmente escolheria Meant To Be. Como eu disse, é a peça central do álbum e é a música mais longa. Tem tudo ali que me define como músico.

Qual é sua banda favorita? É um empate entre Genesis, The Beatles, The Who, Rush, Queen, Journey, Billy Joel e Phish.

Quem ou o que te inspira a escrever músicas? Morar em Nova York é provavelmente minha maior inspiração. Todo dia é o que você chamaria de “sobrecarga sensorial” que mantém meu cérebro funcionando e apresentando muitas ideias musicais. Pode-se dizer que todo o álbum é vagamente baseado na energia que sinto quando estou andando pela cidade.

Com quem você gostaria de apresentar? A colaboração dos seus sonhos? Paul McCartney, Dave Grohl e Fiona Apple estariam no topo da lista. Eu gosto de todos os tipos de música, incluindo pop, hip hop e R&B, então também ficaria honrado em colaborar com qualquer pessoa, de Taylor Swift a Lizzo e Beyoncé.

Como é a cena independente e underground em seu país? Eu acredito que a cena independente e underground está prosperando e só melhorando. Moro bem perto do Irving Plaza, um local popular na cidade de Nova York especializado em shows de artistas independentes e underground. Eles têm tantos shows esgotados onde a fila vai para muitos quarteirões e os shows são para artistas que eu nunca ouvi falar. A música está viva e chutando nos EUA.

Quais são seus planos para o futuro? No momento, estou focado em promover meu álbum In My Head de todas as formas possíveis. Espero fazer um lançamento físico do álbum no final do ano, que pode incluir faixas bônus que não estão no lançamento digital. Para isso, já comecei a gravar novas músicas e espero que eventualmente isso vire um novo álbum. Posso fazer shows também se conseguir montar a banda certa. Mas estou ansioso para compartilhar minha música com qualquer um que queira curtir!

‘Delusions’: https://www.youtube.com/watch?v=ylTZlaTUyTY

‘In My Head’: https://open.spotify.com/intl-pt/album/3X5YNtQIxerUlUOcz5M0s5

Deixe um comentário